0item(s)

Nenhum produto no carrinho.

Informações via Whatsapp
(11) 9 9904-3492

Visite nosso acervo

Product was successfully added to your shopping cart.

Vicenzo Cencin

Ano: desde 1925

Biografia:
Desde menino começou a sentir feição mágica e iluminada de sua cidade natal, Veneza. Nada escapou aos olhos observadores do pequeno Vincenzo: os gondoleiros, os passeios pelos canais de águas escuras, as lendas sobre as sereias, as histórias dos antigos doges, a Piazza de San Marco, onde se podia correr e brincar. De todos as impressàµes de infância é o mar com suas gôndolas, barcos e navios, que prendera mais sua atenção, antecipando, de certa forma, o grande pintor de marinhas de anos mais tarde. Morou em várias cidades italianas durante sua infância até que, aos 16 anos, em Tolmezzo, ocorreu sua iniciação Artística. Seu primeiro quadro, feito sob a orientação do professor Francescchini, era uma igreja erguendo-se majestosa por ente as montanhas da cidade. Daí em diante, dedicou-se à literatura e pintou marinhas, paisagens e desenhou figuras de filosofia a bico-de-pena. Praticou esportes, também, esqui e esgrima, tendo mesmo conquistado alguns troféus no último. Durante a Segunda Guerra Mundial uniu-se aos amigos para enfrentar os fascistas. Presos pelos alemàes, ficou um ano e meio em campo de concentração. Terminada a guerra, vário amigos e conhecidos perdidos, Vincenzo decidiu partir para novas descobertas. Chegou ao Brasil em 1949, e passou os seis primeiros meses como bom vivant. Quando o pai morre, logo depois, e o dinheiro acabou, empenhou-se em encontrar um emprego. Como engenheiro eletro-mecânico, formado na Itália, não foi difícil arrumar uma colocação. Tornou-se assistente técnico em uma grande empresa brasileira, vindo depois a conquistar posto mais altos da administração. Após 30 anos de trabalho, aposentou-se para realizar seu velho sonho: dedicar-se somente à pintura. Faz mais do isso: em 1981 inaugurou a Galeria Velha Europa, um recanto que ele soube tornar acolhedor, repleto de obras de arte: quadros, vidros franceses, italianos, móveis antigos, prataria, objetos exóticos. Pode então pintar de maneira integral. Encheu as paredes de sua galeria com casarios, igrejas, paisagens e marinhas. O ser humano está sempre presente em suas obras e uma verdadeira multidão de tipos desfila por elas: bufàµes, artistas, boêmios, poetas, trabalhadores, gente humilde do povo. São esses os tripulantes de seus barcos luminosos e os andarilhos de seus ensolarados caminhos. Vincenzo foi sócio efetivo da Academia de Belas Artes. Recebeu em 1983 o Diploma de Gente de Destaque da Globarte. José Roberto Teixeira Leite assim prefere á sua pintura: ...para esse homem chegado já maduro à s artes, depois de longa carreira em campo diametralmente oposto, o que importou é lançar, sobre o espaço da tela, reminiscências do homem mediterrâneo que é, à s voltas com o mar, o casario, barcos de pescas e pescadores, montanhas e praias sob um céu muito azul. Construiu assim um mundo silencioso e poético, mais sensível do que racional, numa evocação de outras eras idas e vividas, longe do bulício das grandes cidades sem alma. Algumas de suas exposições: I Salão de Artes Visuais de Rio Claro (1981), individuais na Galeria Studios das Artes, Ribeirão Preto - SP, Galeria Borghese - RJ, (1983), Galeria Ranulpho - SP (1984), Espaço Cultural da Caixa Econômica Federal São Luís - MA (1985). Premiações: Grande Medalha de Ouro no I Salão Nacional de Artes Plásticas Jean Baptiste Debret, Grande Medalha de Ouro no II Salão Nacional de Artes Plásticas Pablo Picasso, Grande Medalha de Prata no II Salão Nacional d Artes Plásticas Brigadeiro Eduardo Gomes, Prêmio Aquisitivo com Medalha de Ouro no III Salão Oficial de Artes Plásticas, Academia Paulista de Belas Artes, Pequena Medalha de Prata no VI Salão de Artes Plásticas Alberto Santos Dumont, Diploma de Honra no VII Salão Araraense de Artes Plásticas, Medalha de Ouro no I Salão de Artes Plásticas Nacional Genaro de Carvalho - BA, Grande Troféu no II Salão Nacional de Artes Plásticas Jean Baptiste Debret, Grande Medalha de Prata no IV Salão Oficial Academia Paulista de Belas Artes, Medalha de Ouro no Salão da Associação Internacional de Artes Plásticas (1983). Acervos: Museu Nacional de Belas Artes - RJ, Academia Paulista de Belas Artes - SP, Grossman Galeria - SP, Uirapuru Galeria - SP, Domus Galeria - SP, Spade Galeria - SP, República das Artes - SP, Museu Naval Militar, Buenos Aires - Argentina, Jornal Clarin, Buenos Aires - Argentina, Palácio Remédios de Escalada de San Martin, Buenos Aires - Argentina, Bonhams 1973, Montpellir Galleries, Montpellier Street, Londres - Inglaterra.

Nenhum produto coincide com esta seleção.